quarta-feira, 3 de abril de 2013

Trilha Serraria - Pilões - Pilõezinhos (Paraíba)

Tinha ficado a vontade de retornar à região do Brejo Paraibano desde a última vez em que estivemos no local, no mês de Novembro/2012. Naquela ocasião, exploramos um trecho entre as cidades de Pirpirituba e Bananeiras, já de certa forma conhecido, pois, apenas alguns trechos desse percurso foi novidade. Dessa vez, repetimos o lugar de saída novamente, mas agora, exploraríamos uma região até então desconhecida para nós. Percurso totalmente novo...
Sexta-feira Santa, feriado nacional, e lá estávamos às quatro e meia da manhã em plena BR 101 destino a cidade de Pirpirituba/PB. Resolvemos sair bem mais cedo do que da última vez que visitamos a região.
Às oito horas da manhã estávamos prontos para mais um dia de pedaladas. O percurso escolhido dessa vez privilegiava o maior números de engenhos possível no trajeto. Ao todo seriam dez engenhos a serem visitados e muitas, mas muitas surpresas...
Engenho abandonado após 2 KM pedalados
Logo de início, após 2 KM de pedal, estávamos no primeiro engenho. Estrutura enorme, imponente e mesmo estando abandonado, ainda preserva características de quanto foi importante para a região. Certamente gerava muitos empregos e, sem dúvida, uma grande quantidade de mão de obra era empregada para fazê-lo funcionar a todo vapor. Ao passarmos pelo engenho, uma larga estrada de terra se abria e com o girar das pedaladas sua característica ia mudando. Cada vez mais a estrada afunilava.
Estrada de terra após passarmos pelo primeiro engenho

Muitas pedras no caminho e o afunilamento constante da estrada nos dava a certeza de que estávamos pedalando por uma antiga estrada de ferro e de fato, após 7 KM desde nossa partida, o que era suposição se concretizava.
Antiga estrada de ferro
Estação Ferroviária Cacimbas
A Estação Ferroviária Cacimbas foi inaugurada em 1913 pela Great Western, no ramal de Bananeiras. Em 18/04/1970, o ramal foi suprimido pela RFFSA. Ao longo dos 54 anos de seu funcionamento, muitos produtos foram escoados por ela. Entre estes pode-se destacar: a rapadura produzida nos engenhos do Brejo Paraibano, o algodão em plumas, a fibra de sisal, esta muito difundida durante as décadas de 1950/60, produtos pecuários, entre outros. No final de 1966 o trem deixou de passar pela estação, mas o ramal foi oficialmente suprimido em 18 de Abril de 1970 pela RFN. Ou seja, praticamente 100 anos depois, estávamos sendo testemunhas oculares de quanto a região foi próspera e de como a região poderia ser explorada turisticamente. Seguimos rumo à barragem da cidade de Pirpirituba. Como até então somente subíamos, a região ia mudando e a cada nova brecha na vegetação e a cada porteira que se abria, o visual ficava deslumbrante.



Um pouco antes de chegarmos à barragem, a estrada de terra estava cheia d'água. Um grande vazamento na tubulação da adutora que leva água até a cidade de Pirpirituba foi o responsável pelo alagamento. Perguntado sobre a situação, um morador local nos explicou que por ser feriado, o abastecimento tinha sido suspenso e a pressão na tubulação, por causa de seu fechamento, era a causa do grande desperdício d'água. Após algumas verificações sobre as condições do solo, decidimos que era possível pedalar naquelas condições, o que nos rendeu belas fotos.
Trecho alagado pelo vazamento da adutora de Pirpirituba/PB
Estávamos agora nos 2 KM de single track da barragem de Pirpirituba, ou melhor "na Itália" como dizia repetidas vezes o amigo Décio. Realmente...desde nossa saída, a cada metro pedalado, o visual ficava cada vez mais bonito. Apesar do nordeste estar passando por uma das maiores secas dos últimos anos, era incrível o quanto é verde esse lugar. Mesmo percebendo que existe realmente ausência de chuvas na região, o verde ocupa todos os lugares onde sua visão possa alcançar e pedalar nessas condições é realmente um paraíso para os que amam o mountain bike.
Barragem de Pirpirituba/PB


2 KM de single track margeando a barragem
Desse ponto em diante enfrentaríamos o trecho mais íngrime de todo o percurso. Eram 5,5 KM em estrada de terra até a rodovia PB 087 e mais 3 KM em asfato até a cidade de Serraria, pela mesma rodovia. Com 1,5 KM na estrada de terra, desde que deixamos o single track da barragem, passávamos pelo Engenho Avenca, o segundo a ser visitado no nosso percurso.
Engenho Avenca - Serraria/PB
Passamos pelo engenho Coitezeiro um pouco antes de chegarmos à PB 087 e inciarmos a subida até a cidade de Serraria. Fundada em 1897 e a 530 metros de altitude, Serraria é daquelas cidades que ainda preservam muito da arquitetura do ciclo da cana de açúcar. 
Cidade de Serraria/PB
Já tínhamos subido bantante e agora era desfrutarmos do trecho até a cidade de Pilões. Assim que saímos de Serraria, uma descida em estrada de terra com cerca de 2 KM nos aguardava. Descida rápida, sinuosa e perigosa. Visual belíssimo que devido às condições de segurança preferi não fotografar em movimento. Apenas no início é que registrei o belo visual da descida.

Em 10 Km estávamos na cidade de Pilões e, até chegarmos lá, passamos pelos Engenhos Cajazeiro e Santo Antônio. A estrada de terra entre Serraria e Pilões praticamente acompanha o curso do rio. Estrada sinuosa, mas, quase que em toda sua extensão, plana. A estrada de terra tem excelente rolagem, o que permitiu boas médias horárias, e rapidamente chegamos em Pilões para um breve descanso e para repormos as energias.
Engenho Cajazeiro - Pilões/PB
Em Pilões, para nossa surpresa, nenhum comércio aberto por causa do feriado. Tudo fechado por determinação do Juiz local. Conseguimos algo no posto de combustível na entrada da cidade e fomos sugeridos a pedalar até o centro da cidade, onde encontraríamos algum estabelecimento aberto. De fato encontramos uma lanchonete aberta, mas o melhor foi ver a Igreja do Sagrado Coração de Jesus no centro da cidade de Pilões. Grande movimento em seu entorno. Belo local devidamente registrado.
Igreja Matriz de Pilões / PB
Mais descansados e com metade do percurso já pedalado, agora era descermos até Pilõezinhos. Passamos pelo engenho Gameleira e, após 10 KM da saída de Pilões, estávamos em uma ladeira de aproximadamente 2 KM em paralelepípedo até chegarmos na cidade. Foram 2 KM daqueles... daqueles que os freios à disco fervem e fumaçam para manter a velocidade digamos... ideal, ou pelo menos, a velocidade mais prudente para chegar até seu final sem nenhum problema, a não ser um jogo de pastilhas de freios bem gastos.
Estrada de terra entre Pilões e Pilõezinhos / PB

Engenho Gameleira - Pilões/PB
Não paramos em Pilõezinhos. Faltavam 14 KM até chegarmos ao local de partida, Pirpirituba, e resolvemos seguir. Após uns 5 KM estávamos em uma estrada de terra paralela àquela que usamos no início do percurso. Aproveitei a oportunidade para localizar todos os amigos que me acompanharam nesse trajeto. Uma visão geral do que tínhamos pedalado até então era possível daquele local. Em instantes estávamos no engenho Boca da Mata, o último que passaríamos naquele dia.
Estrada de terra após saírmos de Pilõezinhos/PB
Estrada de terra paralela àquela que utilizamos no início do percurso
 Poucos quilômetros ainda restavam até chegarmos ao ponto de partida. Agora, conversávamos sobre como bonito tinha sido os lugares por onde passamos: a estação ferroviária, a barragem, as cidades, igrejas, engenhos... enfim, concordamos que deveríamos voltar com mais frequência à região e que, de fato, ainda há muito o que explorar.

Agradeço aos amigos Luciano, Denner, Alexandre, Sheyla, Allan, Décio, Fagner e Thiago Mingau, pela confiança em ter acreditado no planejamento do percurso e espero retornar o mais breve possível à região.

Grande abraço.

Acesse nossa página no Facebook e confira todas as fotos desse pedal.






6 comentários:

Patuf na área disse...

Valeu Veto você é o cara do pedal,lindas fotos,na proxima quem sabe estarei com vocês.

Patuf na área disse...

Valeu veto você é ocara do pedal,lindas fotos,na proxima quem sabe estarei lá.

Henrique Henrique disse...

Show de pedal, belas fotos.... Bateu uma inveja branca, vou tentar fazer este pedal este ano... muito bom !!

EVALDO LIMA disse...

show esse pedal , fui criado nessa região.

Joao Augusto disse...

Amigos fico vendo as imagens e elas por si já representa o quanto esse passeio foi legal. Parabéns e vou torcer para na próxima poder fazer esse percurso lindo. Valeu a todos.

Eduardo Lino disse...

amigo Everton fico feliz de saber que você esta recuperado e de volta aos pedais a todo vapor com os amigos , uma viagem como essa não posso ficar de fora por favor não esqueça de mim ,parabens pela viagem e aquele abraço.

Postar um comentário